Aprenda a respirar melhor e os benefícios na sua qualidade de vida

Tempo de leitura: 5 minutos

A respiração é uma função automática. Respiramos desde que passamos a existir como embriões, recebendo o oxigênio do sangue de nossas mães (processo conhecido como circulação fetal).  O bebê chora quando nasce, porque o ar do ambiente entra pela primeira vez em suas narinas- quando se rompe a membrana que protege as vias aéreas do líquido amniótico- causando dor. Ninguém racionaliza sobre a respiração. Todo mundo só se lembra que respira quando sente falta de ar, quando suas vias aéreas estão congestionadas.

No entanto, ao longo do nosso desenvolvimento, é muito comum que acabemos “mexendo” nas nossas funções automáticas, por diferentes razões, algumas delas até sem grande consciência, provocando transtornos em médio e longo prazos.

Desaprendemos a respirar, a ter uma postura correta, a caminhar do modo certo, a dormir direito, a comer direito e vamos tocando a vida assim. Quando os problemas começam a surgir e a saúde fica comprometida, precisamos de uma espécie de antiginástica: temos que reaprender a fazer tudo, recriar os hábitos saudáveis, até tornar tudo, ou, na medida do possível, quase tudo automático novamente.

A parte ruim disso é que na fase adulta temos uma consciência maior das dificuldades de processos como esses, coisa que não tínhamos quando éramos crianças. As crianças são capazes de esquecer com mais facilidade e maior rapidez. Por exemplo, não é fácil aprender a dar os primeiros passos, a se equilibrar ou, logo depois, a dar laços nos cadarços do calçado nas primeiras vezes em que se faz isto, mas logo a técnica é apreendida e torna-se automática. Para o adulto, as dificuldades do processo de reaprendizado remetem a um processo longo de fisioterapia, que pode ser utilizada para resolver problemas respiratórios.

A respiração está bastante ligada ao estado emocional do indivíduo. Repressões, julgamentos negativos, baixa estima e estados maníaco-depressivos podem produzir ansiedade, angústia, medo e estresse, sensações que afetarão negativamente o modo como uma pessoa respira. A ansiedade e a tensão costumam acelerar a respiração, fazendo com que respiremos errado, pela boca.

É muito comum pessoas com problemas emocionais adquirirem um vício como o do cigarro- ou fumarem mais com o agravamento do estado emocional. O cigarro é usado como calmante, mas provoca sérios distúrbios na respiração e o desenvolvimento de doenças pulmonares que, em médio ou longo prazo, podem comprometê-la a um ponto sem volta e, portanto, fatal.

Uma boa respiração libera antioxidantes no organismo, que combatem os radicais livres responsáveis pelo envelhecimento ou por sua aceleração.

O modo de respiração mais correto é o que faz uso do movimento natural e mecânico do diafragma. Preste atenção se, ao respirar, é o diafragma que está se movendo com maior intensidade do que outras áreas, o que é o correto, e não peito e ombros. Inspire pelo nariz e expire pela boca.

Quanto mais ar é captado pelos pulmões, maior será a quantidade de oxigênio em todo o nosso organismo.

A respiração errada pode atrapalhar seu sono, provocando ronco, apneia. Além disso, a mastigação também pode ficar comprometida, consequentemente, o restante do processo digestivo.

A respiração deve ser a que infla o abdômen. É de fácil identificação, porque ela é bem visível durante o seu processo. O abdômen infla como uma bolsa.

Há três tipos de respiração: a abdominal, a intercostal e, por fim, a bucal. A respiração mais natural, e, portanto, a que mais se adequa é a bucal. As demais podem trazer diversos problemas de saúde

Postura e respiração, tudo a ver? Lógico! – Manter a coluna ereta é importante para uma boa respiração. Procure respirar somente pelo nariz, evitando de respirar pela boca. Mantenha a calma, lembrando sempre que o nervosismo costuma acelerar a respiração. Uma boa prática para relaxar é inspirar o ar longamente pelo nariz e expirar também longamente. Para respirar de pé, é necessário manter a postura ereta.  Quando se está sentado também a postura deve estar correta, é preciso estar sempre atento com a postura. Para respirar deitado: no caso de problemas posturais, é interessante que se coloque um travesseiro embaixo dos joelhos, para deixar o abdômen mais livre para a respiração.

A respiração correta evita distúrbios como a ansiedade e previne doenças como aumento de pressão arterial, diabetes, depressão, gastrite, hérnias de hiato e acúmulo de toxinas no organismo. A má respiração diminui a quantidade de oxigênio necessária ao organismo e pode comprometer o sistema imunológico, deixando-o mais fraco e vulnerável, abrindo caminho para instalação de doenças das mais variadas, sendo que algumas delas podem se tornar crônicas e graves.

O que pode provocar a má respiração: desvio de septo, bloqueio das vias aéreas devido a alergias como rinite e sinusite, doenças pulmonares (por exemplo, bronquite, bronquiolite, asma, câncer), tensão, obesidade, doenças cardíacas (doença cardíaca congênita, infarto, angina, insuficiência cardíaca).

Que práticas podem ajudar a ter uma respiração correta e boa? Ioga, tai chi chuan e pilates são ótimas práticas para se ter uma boa respiração, especialmente as duas primeiras, que têm origem no Oriente. Em diferentes tradições do Oriente (Índia, Tibete, China, Japão, Tailândia) a respiração correta é levada muito a sério, inclusive e práticas de ritos religiosos e na meditação. Natação e corrida podem ampliar a capacidade dos pulmões. Terapias ocupacionais podem auxiliar. Hipnoterapia, já que o indivíduo, no estado de transe hipnótico, consegue atingir um profundo relaxamento, podendo, nesse estágio, respirar melhor. O terapeuta pode reprogramar respostas ruins a estímulos negativos, criando novos hábitos. Portanto, a pessoa que faz hipnoterapia pode criar o hábito de respirar corretamente de novo, mesmo diante de situações estressantes.

Quem respira corretamente previne uma série de problemas de saúde. É uma pessoa mais tranquila, mais segura e mais feliz.